banner iptu itaipulândia

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Projeto Registre-se chega a segunda etapa com realização da Semana Nacional do Registro Civil
  Data/Hora: 15.mai.2024 - 10h 20 - Categoria: São Miguel do Iguaçu  
 
 
clique para ampliar

Da Assessoria - A Comunidade Indígena Avá-Guarani Tekoha Ocoy, localizada no interior de São Miguel do Iguaçu, está sendo beneficiada pelo projeto, dedicado especialmente à emissão de certidões de nascimento e documentação de registro em geral à população socialmente vulnerável.

 

 

 

O projeto foi criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e implementado no Estado pela Corregedoria do Tribunal de Justiça, beneficiando a comarca de Curitiba, para atendimento de moradores de rua, e a comarca de São Miguel do Iguaçu, com o atendimento da população indígena.

 

 

Na primeira etapa de trabalhos foram emitidas mais de 200 certidões de nascimento para os moradores da comunidade são-miguelense. Nesta semana, acontece a segunda etapa, com a realização da Semana Nacional do Registro Civil, onde durante três dias, serão emitidos os RG’s (Documentos de Identidade) dos beneficiários.

 

Segundo a Juíza de Direito da Vara Cível da Comarca de São Miguel do Iguaçu, Daniela Franco Reis e Silva Sá, muitos indígenas já tinham o Registro Administrativo de Nascimento de Indígena (RANI), que é emitido pela Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), mas não tinham os demais documentos, enquanto que outros apresentavam divergências entre os dados. ‘Nesta semana estaremos fazendo tanto a 1ª via do RG quanto também a regularização, 2ª via e retificação de alguns registros errados’, informou.

 

A comunidade conta atualmente com 210 famílias, com cerca de 900 pessoas, e quase 400 não tinham registro. ‘Isso é muita coisa. São indígenas que já tinham o RANI, que é o equivalente mais ou menos ao registro civil indígena, mas que não tinham RG, CPF e registro civil. Nós conseguimos cerca de 200 pessoas que fizeram o registro civil que vão emitir o RG hoje e pretendemos nestes dias de projeto alcançar pelo menos a marca de 300 registros’, projetou a juíza.

 

Ainda segundo a Dra. Daniela, foi verificado um alto índice de irregularidades nos registros civis dos moradores da comunidade. ‘Todo mundo sabe que o registro civil é a porta de entrada para o exercício de vários direitos da nossa cidadania e nós percebemos que as pessoas estavam alijadas de alguns direitos e com dificuldades de conseguir alguns benefícios justamente por falta deste registro e demais documentos como RG e Certidão de Casamento’, explicou.

 

O cacique Celso Japoti Alves, comemorou a sequência do projeto, que vai possibilitar muitos benefícios para os indígenas. ‘É muito importante para a comunidade fazer essa regularização e esses três dias vão ser muito bons para nós, porque já tivemos muitas dificuldades sem esses documentos’, relatou.

 

Participam da ação, além do CNJ e TJ-PR, o Instituto de Identificação da Polícia Civil do Paraná, Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), Defensoria Pública do Estado do Paraná, Polícia Federal, Ministério Público do Paraná (MP-PR), Tribunal Regional Eleitoral (TRE), com apoio da Itaipu Binacional e do Governo Municipal.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Rose Bueno Acessórios
Banner Mirante
Banner Exposição
Banner violência se limite
Banner emprego
Banner pedrão 2018
Bassani
Banner Einstein