banner sinho e sinhá

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Greve contra a privatização de escolas começa com ato público em Foz do Iguaçu
  Data/Hora: 2.jun.2024 - 20h 14 - Categoria: Educação  
 
 
clique para ampliar

Da Assessoria - Educadores farão protesto contra o projeto “Parceiros da Escola” em frente ao NRE/Foz, nesta segunda-feira, às 9h; acampamento será na Praça da Paz. 

 

Em resposta à tentativa de privatização da educação pública, representada pelo projeto “Parceiros da Escola”, educadores iniciam greve por tempo indeterminado nas escolas estaduais, nesta segunda-feira, 3. A paralisação começará com ato público em frente ao Núcleo Regional de Educação (NRE) de Foz do Iguaçu, às 9h. 

 

Sob o slogan de greve “Não venda minha escola!”, a categoria é contra o projeto que transfere a gestão de instituições públicas para o setor privado, além de terceirizar a função de funcionários escolares. Essa proposta já foi rejeitada pela comunidade escolar em 2022, quando o governo pretendia instituí-la inicialmente em 29 escolas. 

 

Para a APP-Sindicato/Foz, a intenção não é mais do que transferir recursos públicos para empresários, ou seja, dinheiro do erário, para o setor privado. O efeito, aponta, será a perda da qualidade de ensino, exclusão de alunos, redução de salários e também a abertura para “pejotização” da educação: a destruição da carreira docente. 

 

“Há dois anos, quando esse projeto foi derrotado pela população, ele já trazia diversas irregularidades, assédio moral e abuso de poder econômico”, relembra o presidente da APP-Sindicato/Foz, Ari Jarczewski. “Agora, Ratinho Junior volta com essa tentativa, que não apenas é autoritária como é ilegal”, completa. 

 

O professor alerta que a proposta ameaça o modelo de gestão democrática conquistado historicamente, excluindo educadores, pais, mães e estudantes de decisões fundamentais. “O governador usa a sua máquina de propaganda para confundir o real objetivo do projeto, a qual é a privatização do ensino público e gratuito”, frisa.

 

O dirigente sindical ressalta que o número de 200 escolas listadas pode ser apenas o começo de uma privatização ilimitada. “Lembremos do acúmulo de ataques de Ratinho Junior, que começam e não param, a exemplo da imposição de diretores, recentemente, profissionais que agora perdem suas atribuições com esse projeto do governo”, contextualiza Ari.

Acampamento da greve

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner emprego
Banner pedrão 2018
Bassani
Banner violência se limite
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
Banner Exposição
Banner Mirante